Jornal Folha Cidade Baixa | Notícias de Salvador - Bahia - Brasil

Últimas Notícias

Publicada em 22 de Março de 2014 ás 20:33:48
Share

Diretor aponta “sobrepreço” em produtos da merenda escolar adquiridos pelo Governo do Estado

Deputado Carlos Geilson (PTN)

Assunto será discutido na próxima terça-feira (25), durante reunião da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa da Bahia.

Além dos problemas com terceirizados e prestadores de serviço, as escolas estaduais em Irecê, no norte do Estado, sofrem com a falta de merenda e com a incerteza de quando os alimentos serão entregues pelo Governo do Estado. O transtorno teve início após a mudança do regime de aquisição dos produtos. Até 2013, as escolas faziam a cotação no comércio local e recebiam o repasse com verbas destinadas a compra. Este ano, a Secretaria da Educação centralizou todo o processo, que passou a ser executado diretamente do Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador. Pelo novo procedimento, a escola faz o cadastro e envia formulário com itens que pretende adquirir mensalmente. Nesta sexta-feira (21), segundo dia letivo para escolas estaduais em Irecê, gestores das unidades de ensino cogitam a possibilidade de diminuir o horário das aulas, já que há pouca merenda em estoque e falta “mão de obra” para trabalhar nas cantinas devido à paralisação.

A reportagem do Sertão Baiano teve acesso, com exclusividade, a documentos e notas fiscais que comprovam uma grande diferença de preços entre produtos adquiridos pela Secretaria da Educação da Bahia e por escola estadual de Irecê. Em 2013, a direção da unidade adquiriu o quilo do peito de frango por R$ 5,50. Este ano, de acordo com cadastro da Secretaria da Educação, o mesmo item vai custar R$ 9,76. No ano passado, o colégio comprou leite longa vida pasteurizado com valor unitário de R$ 1,70. Em 2014, o gênero alimentício será adquirido pelo Governo do Estado por R$ 2,74. O quilo da carne bovina (músculo em cubos), comprado em 2013 por R$ 8,70, terá custo final de R$ 14,22, de acordo com o novo sistema de aquisição.

A diferença de preço também é registrada na compra de peito de frango, macarrão, café, biscoito, açúcar, dentre outros itens. “Com tanto dinheiro assim, podíamos comprar quantidades maiores de merenda escolar e ainda aquecer o comércio local”, observou diretor, que pediu para ter a identidade preservada. O assunto foi levado ao conhecimento do deputado Carlos Geilson (PTN), titular da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa da Bahia. De antemão, o parlamentar não questionou a legalidade do processo, mas lamentou a demora na entrega dos produtos em Irecê. “Com a mudança do sistema de compra, o Governo do Estado deixa de contemplar o comércio local, o que era interessante para as cidades de menor porte. Entretanto, independente de qualquer procedimento administrativo, a merenda não pode faltar. Isso, sim, é preocupante”.

Carlos Geilson se comprometeu a colocar a situação, bem como os demais problemas enfrentados pelas escolas da rede estadual na cidade, na pauta de discussões da Comissão de Educação do Poder Legislativo, que acontece na próxima terça-feira (25).

Agora, é aguardar as cenas dos próximos capítulos...

Sertão Baiano

 

Leia Também
Publicidade
Mais quatro mil pessoas recebem imóveis do Programa Minha Casa Minha Vida em Feira de Santana

Editora Jornal Folha da Capital
Largo da Madragoa, 14 – Ribeira - CEP: 40.420-180 – Salvador - BA
Tel (71) 4101-5819 | Dept. Comercial  4101-5820 
E-mail: jornal@folhadacapital.com.br